HSERPA

"Para nos iluminarmos não precisamos apagar o brilho dos outros"

Textos

A VIDA NÃO NOS LEVA, NÓS A CRIAMOS

Do pódio mais alto ele caiu, como uma ave atingida em pleno voo, estava carregado de sucessos, dinheiro e amigos importantes, então o tombo foi pesado e o estatelou no chão fazendo-o comer poeira.

Levantou com muito esforço até tentou descobrir como morreria, pois sentia que não sobreviveria por muito mais tempo depois do acontecido, mas ela ainda não era prevista, mas a famosa vidente só olhou para a sua cara e pensou que ele devia estar doido, provavelmente nunca tinha pedido um tal desvendamento, o de saber de como seria a sua morte, mas falou alguma coisa como que ele morreria no sofá da sala e sozinho, este sozinho não seria novidade, saiu de lá como entrou.

Uma amiga vendo o seu desassossego o aconselhou a procurar alguns lugares que faziam imposição de mãos para aplacar a sua ansiedade. Ele foi, mas se sentia envergonhado de estar ali, justo ele que tinha tido todos os esclarecimentos da vida, conhecia todos os segredos do Universo, mas não soube evitar de cair nesta desolação, mas a imposição das mãos também não deu certo para o caso dele, teria que haver muitas mãos.

Os dias se arrastavam lentos e nem os amigos mais procurava, eles tinham ficado no passado, e não serviriam para este momento de solidão e desolação extrema.

Da janela via como era difícil alguém se matar, ainda bem, e isto é uma proteção natural para muitos, e agir desta forma vai contra todos os princípios da natureza e não há sofrimento sem causa, e nem esperança de que acabe passando, é só dar o devido tempo, mas orar, o que também podia lhe ajudar também não sabia, pois sempre achou que tudo era de sua responsabilidade, e que o Criador nos dava a vida e os esclarecimentos para seguirmos, mas esquecia que ele também é principalmente amor, e como era triste não poder orar, isso o deixava se sentir mais sozinho ainda.

Outro vendo a sua tristeza, indisfarçável que era, até o convidou para ser pastor na sua igreja, talvez querendo ajudar, não era destas igrejas comuns, tinha até um status diferênciado, mas ele nunca entendeu bem este convite, mas as pessoas viam que ele estava perto de algum fim de linha, no fundo de algum poço, mas ele lutava, como sempre fez, era apenas mais um início, mas como era difícil desta vez e o tempo não passava.

Desta vez o tombo foi mais doído, pois desta vez ele tinha todos os meios materiais para lhe dar amparo, mas nada lhe dava alivio, nada lhe servia, então tinha que rastejar novamente comendo a poeira em busca de alguma água que lhe molhasse a boca; a vida era inclemente, mas só assim ele poderia encontrar a redenção e o esclarecimento, mas não espere amor antes da hora, antes do aprendizado, pois isto não seria amor, e amor só quer o nosso bem, mas esta espécie de amor não conhecemos mais, pois desconhecemos as leis divinas que regem toda a vida, e este amor visa o nosso bem maior e o alivio momentâneo não nos faria avançar.

O amor de Deus nos espera enquanto nos ampara, mas não tem como nos livrar do esforço, pois foi nós que nos colocamos nestas situações, e só reconhecemos o amor divino quando reconhecemos também como funciona também a sua justiça.

Um não existe sem o outro, mas ambos só atuam para o nosso bem.


“O que o homem semeia isto ele colherá” nos disse jesus, e isto passa de uma vida para a outra, pois senão não teria lógica, e por este brutal desconhecimento a maior parte absoluta dos seres humanos não tem mais a compreensão para o que acontece nos dias atuais e morrerão sem saber como funcionam estas leis do lado de lá.

"Seja lá o que for, plantas ou animais, montanhas, rios, países estados ou seres humanos, ruirá tudo aquilo que não se mostrar no último momento como legítimo e de acordo com a vontade de Deus!" Abdruschin em Na Luz da Verdade -
http://www.graal.org.br
 



 
HSerpa
Enviado por HSerpa em 08/04/2017
Alterado em 08/04/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original. Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras